Crédito

Porque temos tanta dívida de cartões de crédito?

cartões de crédito
Written by A Carteira

Podemos ser tentado a pensar que foi a crise e o corte de rendimentos que nos levou a assumir tanta dívida de cartões de crédito. Talvez tenha tido um impacto. Mas e se a dívida dos cartões de crédito for algo comportamental? Será que estamos a ser enganados ou será que nos estamos a enganar a nós próprios?

Para que serve o dinheiro?

Simples. O dinheiro serve para ser gasto. Hoje ou amanhã. Se queremos consumir hoje temos duas alternativas. Ou usamos o nosso dinheiro ou usamos o dinheiro dos outros (pedimos dinheiro emprestado). Se queremos consumir amanhã podemos colocar o dinheiro debaixo do colchão ou fazer uma aplicação financeira e esperar receber juros em troca. Em qualquer dos casos, o dinheiro será usado porque foi para isso que foi criado.

Usamos o dinheiro para ter prazer

O dinheiro é usado para comprar bens ou serviços que nos dão prazer. Podemos gastar o dinheiro em algo essencial às nossas vidas, como por exemplo para pagar a renda da casa ou a comida. Ou podemos gastar o dinheiro em produtos ou serviços que não sejam essenciais mas que mesmo assim dão um colorido especial à vida (será que sim?).

O consumo de algo dá-nos prazer. E ter prazer é algo muito bom. Se temos qualidade de vida isso é bom. Se podemos concretizar os nossos sonhos ou dar boa educação aos nossos filhos, isso é ótimo. Mas tem de ser pago. E o pagamento traz consigo a dor.

Não gostamos de pagar

Costuma-se dizer que pagar e morrer quanto mais tarde melhor. Isto porque o pagamento é algo que traz consigo a dor, como referido anteriormente. Porque associado ao dinheiro está todo o esforço que tivemos em conseguir angariá-lo. Estão anos de estudo. Estão horas de trabalho e horas aturar o chefe quando queríamos estar a dormir ou a aproveitar o tempo na praia.

Pagar alguma coisa tem uma conotação e tendemos a querer fugir dela. Mas a dor do pagamento e o prazer do consumo acabam por se compensar. Certo?

Os cartões de crédito permitem que nos enganemos a nós próprios

A compra de alguma coisa utilizando os cartões de crédito faz com que a dor do pagamento não seja relacionada com o prazer do consumo. Isto porque ao pagarmos a crédito só vamos sentir o efeito quando o dinheiro for debitado na nossa conta, muitas vezes passado até 50 dias da utilização (será que nessa altura nos lembramos do que comprámos?).

A utilização de um cartão de crédito destrói a relação dor/prazer que falámos anteriormente pelo que consumimos como se o consumo fosse isento de custo, sendo esta relação tanto maior quanto menor for a utilidade do produto que formos comprar.

Consumir pensando que não temos um custo é fenomenal pois o prazer é muito maior… até ao dia em que temos de pagar tudo, altura em que detestamos e mesmo culpamos o cartão de crédito pelas nossas más decisões.

Confiamos demasiado no nosso autocontrolo

Devem ser poucas as pessoas que usam um cartão de crédito sem terem a expetativa de pagar o valor em dívida a 100% no final do mês de modo a evitar o pagamento de juros. O problema surge quando chegamos ao final do mês e não temos dinheiro para fazer o pagamento. Se fizermos uma análise cuidada percebemos que essa possibilidade era uma certeza. Mas porque é que nos enganamos assim? Porque confiamos demasiado na nossa capacidade de controlo. Porque confiamos cegamente em nós ao ponto de nos enganarmos… e como isso consumimos demasiado e entramos em problemas de excesso de endividamento.

Como vencer a tentação do consumo com cartões de crédito?

Já por aqui referimos que a utilização do cartão de crédito pode ter muitas vantagens face ao pagamento com cartão de débito. Comparando friamente as duas possibilidades, o cartão de crédito é muito melhor do que o cartão de débito. No entanto, traz associado um risco que para a maioria de nós é demasiado grande. Traz consigo a tentação do consumo e uma afronta ao nosso autocontrolo. E temos de fugir disso se queremos evitar problemas.

Para conseguirmos vencer a tentação do consumo com o cartão de crédito temos de o deixar em casa e fazer as compras a pronto. Temos de tornar clara a relação entre o prazer do consumo e a dor do pagamento pois assim conseguiremos ser mais racionais. Assim só iremos consumir se após reflexão racional constatarmos que aquela compra é mesmo importante. Isto porque sentiremos a dor do pagamento e porque temos de fazer com que o prazer ou a utilidade que retiramos do consumo seja maior do que esta dor.

Contas feitas, sugerimos que se habitue a pagar com o cartão de débito ou mesmo a fazer as suas compras a dinheiro. Faça pronto pagamento se possível pois conseguirá aproveitar muito mais o consumo que for fazer (por exemplo, é um erro demasiado grande pagar viagens a crédito pois vamos arrepender-nos certamente).

O problema já rebentou?

Se tem já muitas dívidas de cartão de crédito tem de resolver o problema pela raiz. Existem algumas alternativas que podem ser do seu interesse. Pode contratar um crédito Puzzle se a dívida for até €3.000. Se tiver um nível de endividamento maior pode consolidar os seus créditos. Se estiver numa situação de maior desespero talvez deva procurar junto da instituição financeira onde tem os créditos transformar o cartão de crédito numa crédito pessoal ou renegociar a dívida para baixar a taxa de juro. Há sempre uma solução!

Sobre o autor

A Carteira

A Carteira é constituída por uma equipa de profissionais com muita experiência no setor financeiro. A nossa missão é ajudar as famílias a ter uma melhor relação com o dinheiro. Acreditamos que é possível poupar dinheiro, investir tempo e dinheiro na melhoria das nossas condições de vida. E estamos cá para ajudar com os conteúdos para que possa tomar as melhores decisões financeiras.

Deixe o seu comentário: