Opinião

A moda do arrendamento de curta duração

IMI - Impostos da Casa
Written by A Carteira

Tem crescido a moda do investimento para arrendamento de curta duração. Como todas as modas, a dada altura entramos em projetos sem fazer contas porque acreditamos cegamente que só podem dar certo. Não há como dar errado. O problema é mesmo esse. Quando não fazemos contas e quando achamos que tudo é garantido… acabamos por ter péssimas experiências (basta ver a experiência recente com alguns “depósitos a prazo” ou obrigações de instituições financeiras classificadas como “sem risco”).

O arrendamento de curta duração é uma moda que faz sentido, especialmente numa altura em que as taxas de juro estão negativas, o crédito habitação é abundante e os depósitos não são remunerados. Temos imóveis que podemos rentabilizar ao arrendar a estrangeiros e turistas. Mas aqui temos de comparar diferentes alternativas. Qual a rentabilidade que teríamos em comparação com o arrendamento tradicional? Ou será que não seria melhor vender o imóvel, aproveitando a alta de preço?

Apesar de fazer sentido, podem existir boas casas e bons projetos que não são bons negócios. Tudo depende do preço que pagamos por isso. E aqui criamos uma nova moda, a valorização dos imóveis nas grandes cidades que leva a expulsar os portugueses da cidade e a ir viver para as periferias. Mas já pensámos que talvez nas periferias estejam ainda os bons negócios, com maiores taxas de retorno porque os preços são ainda mais reduzidos? Ah pois, é que esse investimento não é sexy e não está na moda… porque só compramos o que é sexy pois nos investimentos funcionamos como as manadas.

Sobre o autor

A Carteira

A Carteira é constituída por uma equipa de profissionais com muita experiência no setor financeiro. A nossa missão é ajudar as famílias a ter uma melhor relação com o dinheiro. Acreditamos que é possível poupar dinheiro, investir tempo e dinheiro na melhoria das nossas condições de vida. E estamos cá para ajudar com os conteúdos para que possa tomar as melhores decisões financeiras.

Deixe o seu comentário: